11/11/2014

MATERNAGEM

 À prática médica diária de um consultório voltado a mulheres, gestantes, mães e crianças requer dedicação e conhecimentos permanentes no estudo das reções humanas.

 Gestação, parto e amamentação fazem parte de um CONTINUUM que equivocadamente separamos em nome de uma didática que pouco colabora para a compreensão ampla do fenômeno.
 
 Gestação, parto e puerpério(amamentação) SÃO ETAPAS DO MESMO PROCESSO DE
MATERNAGEM, e, se devem ser tratados pela interdisciplina, isso não pode significar segmentação, mas sim uma busca constante de diálogo e complementaridade.

 Apoiar uma mãe durante seu processo de amamentação requer habilidade pessoal, prontidão e qualidade do conhecimento técnico. Recomendações inapropriadas são importantes obstáculos ao aleitamento materno exclusivo. Em essência, apoio presume sustentação, base.
 A condição de apoio é,portanto,sutil,um cenário de fundo para o ato de amamentar.

Dr. Leandro Netto - CRM 15444 - Ginecologia-Obstetrícia
Dra. Juliana de Oliveira - CRM 25802 - Pediatria
Dra. Liane Netto - CRM 15449 - Pediatria

Amamentar é um ato psíquico,
Indiscutivelmente,um ato político,
Seguramente,um gesto psicológico...
Amamentar é um momento magnífico,
Traduz,decerto,um posicionamento crítico,
Amamentar é um ícone ecológico...
Para muitas mães,traduz um ato prático,
Para muitos bebês,um exercício rítmico,
Talvez,dos movimentos,o mais democrático,
Dos comportamentos, o mais mítico...
Amamentar é fantástico...
É o antídoto contra o bico plástico,
É mais antigo que o homem paleolítico,
Definitivamente,o encontro mais romântico
Possivelemtne,o termo mais poético,
Provavelmente,o contato mais intimo,
E,embora às vezes ganhe um tom dramático,
Não há como negar-lhe o lado místico...
Não há como não ver seu lado lúdico,
De significado tão elástico,
Coerente como um cálculo aritmético.
Por isso um gesto sempre tão simpático,
Por isso nunca de um padrão estático,
Por isso quase sempre um gosto estético...

Marcus Renato de Carvalho
Luis Alberto Mussa Tavares


MÉTODO MCKENZIE

MÉTODO MCKENZIE é a mais nova inovação que apresento aos meus pacientes. É um sistema de avaliação que determinar o tratamento do paciente. É uma excelente técnica para tratar lombalgias, cervicalgias, cefaleias, hérnia de disco. O seu diferencial em relação aos outros tratamentos é que se usa movimentos repetidos e a ênfase na independência do paciente.

Dr. Carlos Vinícius Chaves Dias – CRM 17041 Ortopedista e Traumatologista
Dra. Rosani Frantz Predabon - Fisioterapeuta Crefito 5/9564F Especialista em Fisioterapia Osteopática /Formação em Podoposturologia (Palmilhas)

Podoposturologia

A Podoposturologia tem o objetivo de diagnosticar e organizar as lesões ascendentes que afetam a biomecânica ideal para um individuo em suas atividades diárias, profissionais e desportivas, propiciando um bem-estar estático e dinâmico ao paciente.



Realiza-se um diagnostico preciso e detalhado dos planos biomecânicos e, em seguida, confeccionamos palmilhas proprioceptivas (posturais) e palmilhas termomoldáveis (conforto e absorção de impacto).A introdução de elementos estimulatórios ativa o sistema proprioceptivo, que estimula a reação do fuso neuromuscular, promovendo ajustes biomecânicos com atuação do controle motor. As palmilhas são confeccionadas individualmente e com materiais específicos para cada patologia ou necessidades esportiva ou postural.

Dra. Rosani Frantz Predabon - Fisioterapeuta Crefito 5/9564F

Especialista em Fisioterapia Osteopática /Formação em Podoposturologia (Palmilhas)

Osteopatia


É a única Terapia Manual que propõe um programa com técnicas diferentes e complementares que permitem ao fisioterapeuta a adaptação precisa à causa e à necessidade individual do paciente, seguindo o princípio das terapias suaves: “O objetivo é tratar a causa da dor através de um trabalho GLOBAL das cadeias ascendentes e descendentes, e não tratar somente os sintomas dolorosos”.


A OSTEOPATIA permite ao fisioterapeuta tratar todas as patologias posturais, articulares e
vertebrais de maneira eficaz e duradoura.

Dra. Rosani Frantz Predabon - Fisioterapeuta Crefito 5/9564F
Especialista em Fisioterapia Osteopática /Formação em Podoposturologia (Palmilhas)


ORTOPEDIA E DOR LOMBAR

O diagnóstico correto para dor lombar é fundamental para o sucesso do tratamento. Cerca de 80% das pessoas têm, em algum momento da vida, dor na coluna. São vários os motivos para este número tão expressivo: má postura, lesão, esforço repetitivo, má formação etc.  A dor também pode ser em qualquer uma das várias estruturas que compõem a coluna, como os discos, ligamentos, articulações facetarias, nervos e músculos. Com isso, observamos que cada caso é particular e exige um tratamento específico, além de medidas de prevenção. Por tudo isso, é tão importante que você saiba exatamente o que tem e quais os tratamentos que existem para combater o seu caso específico.
Aqui na clinica temos várias opções de tratamento.

Dr. Carlos Vinícius Chaves Dias – CRM 17041 Ortopedista e Traumatologista



Cuidado - Adoçantes artificiais estão ligados à intolerância à glicose.

Os adoçantes artificiais aspartame, sucralose e sacarina produzem anormalidades em camundongos e em alguns humanos, segundo pesquisa publicada em 17 de Setembro último, em uma das mais conceituadas revistas cientificas do mundo, a NATURE. 
As alterações na tolerância à glicose parecem ser provocadas pela microbiota (flora microbiana do trato gastro intestinal) e pode ser produzida em camundongos quando administramos a eles micróbios intestinais de uma pessoa que faz uso continuado de adoçantes. 
Foi encontrado que os adoçantes artificiais podem orientar a um aumento exagerado dos níveis de glicose sanguínea, a mesma condição que nós freqüentemente tentamos evitar que aconteça, e por isso consumimos os adoçantes artificiais. Devido ao fato destes adoçantes artificiais não serem digeridos ou absorvidos pelo corpo humano, os investigadores hipotetizaram que os micróbios intestinais eram os responsáveis por estes resultados. 
E assim, administrando micróbios de camundongos que receberam sacarina na sua dieta a camundongos livres de micróbios, estes mostraram alterações na glicemia enquanto que camundongos que beberam glicose, não apresentaram. 
Um experimento que envolveu 381 participantes não diabéticos mostrou que o consumo em longo prazo de adoçantes artificiais estava associado com aumento de medidas de obesidade central e de intolerância à glicose. Mas ainda, os experimentos humanos não são suficientes para fazer recomendações se a população deve ou não consumir adoçantes. 
 Dr. Elton Erhardt – CRM 23120/ Endocrinologia

A recepção como diferencial!!!

A recepção de um consultório ou de uma clínica é bem mais do que apenas um local onde os pacientes aguardam pela consulta. Neste espaço, todos os elementos podem influenciar a percepção de qualidade, tanto de maneira positiva quanto de maneira negativa. Por isso mesmo é tão importante que a equipe que atua nela esteja preparada para lidar com as mais diversas situações. Uma sala de espera abriga pessoas bem diferentes em torno de um objetivo em comum: a busca por um atendimento médico eficiente. Neste local, a recepcionista reina absoluta. Seu objetivo é receber os pacientes, orientá-los sobre o consultório e auxiliar no que mais for preciso.             

Essa posição de destaque pode transmitir a impressão de que não é preciso fazer muito para se sair bem. Mas isto é um equívoco. Atender bem é uma arte fundamental para qualquer prestação de serviço. Com isso, podemos concluir que o trabalho dos funcionários da recepção pode ser tão importante quanto o do médico quando o objetivo é oferecer um atendimento de excelência. O paciente também é impactado pelo ambiente em si e os elementos que o compõem: limpeza, decoração, disposição dos móveis, conforto disponível, facilidades como TV, música ambiente, etc. E todos estes itens devem ser gerenciados pela equipe da recepção. A recepcionista não apenas verifica se estes elementos estão dentro do esperado como também tem papel fundamental ao recolher o feedback e as impressões manifestadas pelas pessoas que por ali passam. 
             
Hoje, mais que atender bem, o consultório ou clínica deve estar focado em conquistar a confiança dos pacientes e gerar credibilidade. E para que este resultado seja atingido, médico e sua equipe de recepção devem trabalhar juntos e de maneira harmoniosa. 
 Muitos dizem até que a recepção é o cartão de visita do médico. Não é para menos. É neste ambiente que o paciente fará suas primeiras observações e tirará conclusões sobre a qualidade do serviço e a seriedade do profissional. E mais: a sala de espera é o local onde normalmente as pessoas passam a maior parte do tempo quando buscam um serviço de saúde.


Carla Cristiane Muller e Maria Joaquina Ribeiro Pires - Secretárias

18/09/2014

Câncer de mama e seus direitos

  • Reabilitação profissional: o serviço da Previdência Social visa readaptar ou reeducar o profissional para o retorno ao trabalho, com o fornecimento de materiais necessários à reabilitação (tais como taxas de inscrição em serviços profissionalizantes e auxílios para transporte e alimentação). Todos os segurados da Previdência têm direito à reabilitação. 
  • Auxílio-doença: você terá direito ao benefício mensal desde que fique por mais de 15 dias com incapacidade para o trabalho atestada por perícia médica da Previdência Social e que tenha contribuído com o INSS por no mínimo 12 meses (embora haja exceções). Compareça pessoalmente ou por intermédio de procurador a uma agência da Previdência Social, preencha o requerimento, apresente a documentação exigida e agende a perícia. O auxílio-doença deixará de ser pago quando você recuperar a capacidade para o trabalho, ou caso o direito se reverta em aposentadoria por invalidez. 
  • Aposentadoria por invalidez: você terá direito ao benefício se for segurada da Previdência Social e a perícia constatar que está incapacitada permanentemente par ao trabalho. Via de regra, é preciso ter contribuído com o INSS por, no mínimo, 12 meses para obter o benefício. Compareça pessoalmente ou por procurador a uma agência da Previdência Social, preencha o requerimento, apresente a documentação exigida e agende a perícia. Você ainda pode requerer o auxílio-doença pela internet, no site da Previdência Social ou pelo telefone gratuito 135. 
  • Isenção de imposto de renda: você tem direito à isenção do imposto de renda sobre os valores recebido a título de aposentadoria, pensão ou reforma, inclusive as complementações recebidas de entidades privadas e pensões alimentícias, mesmo que a doença tenha sido adquirida após a concessão da aposentadoria, pensão ou reforma. Procure o órgão responsável pelo pagamento da aposentadoria, pensão ou reforma e solicite a isenção do imposto de renda que incide sobre esses rendimentos. 
  • IPTU: não existe uma legislação nacional que garanta a isenção do IPTU para pessoas com determinadas patologias, como o câncer de mama, mas, como se trata de um imposto municipal, algumas cidades já garantes a isenção. Informe-se na Secretaria de Finanças do seu município. 
  • Cirurgia de reconstrução mamária: você tem direito a realizar a cirurgia reparadora gratuitamente, tanto pelo SUS como pelo plano de saúde. Se estiver em tratamento no SUS, exija o agendamento da cirurgia no próprio local e, se não estiver, dirija-se a uma Unidade Básica de Saúde e solicite seu encaminhamento para uma unidade especializada em reconstrução mamária. Pelo Plano de Saúde, consulte um cirurgião credenciado.

Câncer de mama

O câncer de mama é um tumor maligno que se desenvolve na mama como consequência de alterações genéticas em algum conjunto de células da mama, que passam a se dividir descontroladamente. Ocorre o crescimento anormal das células mamárias, tanto do ducto mamário quanto dos glóbulos mamários.

O câncer da mama é o tipo de câncer que mais acomete as mulheres em todo o mundo, sendo 1,38 milhões de novos casos e 458 mil mortes pela doença por ano, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). A proporção de câncer de mama em homens e mulheres é de 1:100 - ou seja, para cada 100 mulheres com câncer de mama, um homem terá a doença. No Brasil, o Ministério da Saúde estima 52.680 casos novos em um ano, com um risco estimado de 52 casos a cada 100 mil mulheres. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Mastologia, cerca de uma a cada 12 mulheres terão um tumor nas mamas até os 90 anos de idade.

Existem diversos tipos e subtipos de câncer de mama. No geral, o diagnóstico para o câncer de mama leva em conta alguns critérios: se o tumor é ou não invasivo, seu tipo tipo histológico, avaliação imunoistoquímica e seu estadio (extensão):

Tumor invasivo ou não

Um câncer de mama não invasivo, também chamado de câncer in situ, é aquele que está contido em algum ponto da mama, sem se espalhar para outros órgãos - a membrana que reveste o tumor não se rompe, e as células cancerosas ficam concentradas dentro daquele nódulo. Já o câncer de mama invasivo acontece quando essa membrana se rompe e as células cancerosas invadem outros pontos do organismo. Todo câncer de mama in situ tem potencial para se transformar em um câncer de mama invasor.

Avaliação Imunoistoquímica

Também chamada de IQH, a avaliação imunoistoquímica para o câncer de mama avalia se aquele tumor tem os chamados receptores hormonais. Aproximadamente 65 a 70% dos cânceres de mama tem esses receptores, que são uma espécie de ancoradouro para um determinado hormônio. Existem três tipos de receptores hormonais para o câncer de mama: o de estrógeno, o de progesterona e o de HER-2. Esses receptores fazem com que o determinado hormônio seja atraído para o tumor, se ligando ao receptor e fazendo com que essa célula maligna se divida, agravando o câncer de mama.

A progesterona e o estrógeno são hormônios que circulam normalmente por nosso organismo, que podem se ligar aos receptores hormonais do câncer de mama, quando houver. Já o HER-2 (sigla para receptor 2 do fator de crescimento epidérmico humano) é um gene que pode ser encontrado em todas as células do corpo humano, que tem como função ajudar a célula nos processos de divisão celular. O gene HER-2 faz com que a célula produza uma proteína chamada proteína HER-2, que fica na superfície das células. De tempos em tempos, a proteína HER-2 envia sinais para o núcleo da célula, avisando que chegou o momento da divisão celular. Na mama, cada célula possui duas cópias do gene HER-2, que contribuem para o funcionamento normal destas células. Porém, em algumas pacientes com câncer de mama, ocorre o aparecimento de um grande número de genes HER-2 no interior das células da mama. Com o aumento do número de genes HER-2 no núcleo, ficará também aumentado o número de receptores HER-2 na superfície das células.

Tipo histológico
O tipo histológico é como se fosse o nome e o sobrenome do câncer de mama. Os tipos histológicos de câncer de mama se dividem em vários subtipos, de acordo com fatores como a presença ou ausência de receptores hormonais e extensão do tumor. Os tipos mais básicos de câncer de mama são:

- Carcinoma ducta in situ:é o tipo mais comum de câncer de mama não invasivo. Ele afeta os ductos da mama, que são os canais que conduzem leite. O câncer de mama in situ não invade outros tecidos nem se espalha pela corrente sanguínea, mas pode ser multifocal, ou seja, pode haver vários focos dessa neoplasia na mesma mama. Caracterizase pela presença de um ou mais receptores hormonais na superfície das células.
- Carcinoma ductal invasivo:ele também acomete os ductos da mama, e se caracteriza por um tumor que pode invadir os tecidos que os circundam. O câncer de mama do tipo ductal invasivo representa de 65 a 85% dos cânceres de mama invasivos. Esse carcinoma pode crescer localmente ou se espalhar para outros órgãos por meio de veias e vasos linfáticos. Caracteriza-se pela presença de um ou mais receptores hormonais na superfície das células.
- Carcinoma lobular in situ: ele se origina nas células dos lobos mamários e não tem a capacidade de invasão dos tecidos adjacentes. É um tipo de câncer de mama que frequentemente é multifocal. O carcinoma lobular in situ representa de 2 a 6% dos casos de câncer de mama.
- Carcinoma lobular invasivo: ele também nasce dos lobos mamários e é o segundo tipo mais comum de câncer de mama. O carcinoma lobular invasivo pode invadir outros tecidos e crescer localmente ou se espalhar. Geralmente apresenta receptores de estrógeno e progesterona na superfície das células, mas raramente a proteína HER-2.
- Carcinoma inflamatório: raramente apresenta receptores hormonais, podendo ser chamado de triplo negativo. Ele é a forma mais agressiva de câncer de mama – e também a mais rara. O carcinoma inflamatório se apresenta como uma inflamação na mama e frequentemente tem uma grande extensão. O câncer de mama do tipo inflamatório também começa nas glândulas que produzem leite. As chances dele se espalhar por outras partes do corpo e produzir metástases são grandes.
- Doença de Paget: é um tipo de câncer de mama que acomete a aréola ou mamilos, podendo afetar os dois ao mesmo tempo. Ele representa de 0,5 a 4,3% de todos os casos de carcinoma mamário, sendo portando uma forma mais rara. Ele é caracterizado por alterações na pele do mamilo, como crostas e inflamações – no entanto, também pode ser assintomático. Existem duas teorias para explicar a origem da doença de Paget da mama: as células tumorais podem crescer nos ductos mamários e progredir em direção à epiderme do mamilo, ou então as células tumorais se desenvolvem já na porção terminal dos ductos, na junção com a epiderme.
Estadiamento da doença

O câncer de mama é dividido em quatro estadios ou estágios, conforme a extensão da doença, que vão do 0 ao 4:
Estadio 0: as células cancerosas ainda estão contidas nos ductos, por isso o problema é quase sempre curável
Estadio 1: tumor com menos de 2 cm, sem acometimento das glândulas linfáticas da axila
Estadio 3: nódulo com mais de 5 cm que pode alcançar estruturas vizinhas, como músculo e pele, assim como as glândulas linfáticas. Mas ainda não há indício de que o câncer se espalhou pelo corpo
Estadio 4: tumores de qualquer tamanho com metástases e, geralmente, há comprometimento das glândulas linfáticas. No Brasil cerca de 60 a 70% dos casos são diagnosticado em estadio 3 ou 4.


Fonte: http://www.minhavida.com.br/saude/temas/cancer-de-mama

17/09/2014

FAIXAS e TIARAS para seu bebê

FAIXAS e TIARAS feitas por uma cliente nossa. 
Veja mais em dorinhafaixas.blogspot.com 
dorinhafaixas@gmail.com 
(51)81115996


08/09/2014

GRAVIDEZ – Dr. Leandro esclarece dúvidas

SINTOMAS DE GRAVIDEZ
Os  sintomas como cansaço, tensão mamária, náuseas variam de mulher para mulher. Caso você note alguma anormalidade diante desses sintomas, procure seu médico.

INCHAÇO
No final da gestação, o edema (inchaço) é bastante comum, devido à compressão da veia cava dentro do abdômen. Se o inchaço ocorrer de forma generalizada, procure o seu médico.

DOR NAS COSTAS
A coluna vertebral é bastante sobrecarregada durante a gestação. Alongamentos e massagens podem amenizar as dores. Se as dores forem insuportáveis, pode-se ainda utilizar analgésicos.

TRATAMENTO ODONTOLÓGICO
A gestante pode realizar um tratamento bucal normalmente, pois é nesse estágio de gravidez que há maior incidência de cáries e inflamação na gengiva. Deve-se proteger o feto (vestir um avental de chumbo) se for necessário realizar exames de raios-X e a anestesia deverá ser preferencialmente sem substância vasoconstrictora.
 
CUIDADOS COM O CORPO
Opte por produtos exclusivos para gestantes, mas saiba que mesmo eles podem causar alguma irritação. Alguns ativos de hidratantes comuns são proibidos na gravidez, como ureia em concentrações altas.

VARIZES
As varizes que aparecem durante a gestação normalmente somem após o parto. Deixar as pernas levantadas por alguns minutos, evitar ficar muito parada em pé ou sentada e fazer caminhadas podem amenizar os sintomas.

CUIDADOS COM OS CABELOS
No primeiro trimestre da gravidez nenhuma tintura, mesmo aquelas sem amônia na composição ou hena, devem ser usadas. Escova progressiva e alisamentos também deve ser evitados durante toda a gestação.

PESO E ALIMENTAÇÃO IDEAL
O recomendado é um ganho de peso de 9 a 12 quilos referentes ao IMC (Índice de Massa Corpórea) da gestante, que é considerado uma medida saudável para a mãe e o bebê. O ideal seria engordar entre 5 e 12 quilos. Ter uma alimentação equilibrada, com frutas, verduras, carnes, cereais e leite. Comer pouco e fazer de quatro a seis refeições ao dia, bebendo bastante líquido (de um a dois litros de água por dia). Evitar massas, doces, bebidas gasosas e álcool.

SEXO
As relações sexuais podem ser normais na gestação, exceto em casos especiais, como o surgimento de sangramento ou contrações.

SANGRAMENTO
No início da gestação o sangramento é normal. Essa perda de sangue no início da gravidez, que  ocorre em quase 20% das gestantes, é devido à nidação, a fixação do embrião dentro do útero.

SEMANAS DE GESTAÇÃO
Para calcular as semanas de gestação faça a contagem a partir do último dia da menstruação e considere que a gravidez tem 280 dias, ou 40 semanas. Mas não misture o cálculo das semanas com o dos meses. Isso porque quatro semanas tem 28 dias, não um mês.
A data do parto pode ser calculada a partir da primeira data da última menstruação. Hoje em dia, os estudos mostram que pode-se aguardar em segurança até 41 semanas.

OUVINDO O CORAÇÃO DO BEBÊ
Os batimentos cardíacos são audíveis a partir da quinta semana com o uso do ultrassom.

SENTINDO O BEBÊ
O bebê só pode ser sentido a partir da 18ª semana.

SEXO DO BEBÊ
Pode-se saber o sexo do bebê, por meio do exame de sangue a partir de 10 semanas e com o ultrassom com 18 semanas é possível saber o sexo do bebê.

EM TRABALHO DE PARTO
As contrações aumentam e duram em torno de 30 a 40 segundos cada uma. Ocorrem, em média, três contrações em 10 minutos. O rompimento da bolsa é o sinal que a mãe deve ir imediatamente para o hospital, pois ela pode estar entrando em trabalho de parto.
O exame clínico e o toque vaginal revelam se há ou não a dilatação.


11/07/2014

Nossas pediatras participam de Simpósio

As pediatras da Vita Clínica, Dra. Liane Netto e Dra Juliana Oliveira, participaram em maio  do V Simpósio Sul-Americano de Pediatria.





Na foto, as doutoras Katia Taneda, Liane Netto, Rosane Rhoden, Jane Magalhães e Juliana Oliveira.

08/07/2014

Dr. Leandro participa de curso em Barretos

Dr. Leandro Netto participa, no início de agosto, em Barretos, do curso Laparoscopic Gynecological Surgery - que traz técnicas atuais no tratamento da endometriose severa.

Promovido pelo IRCAD da America Latina, que possui uma estrutura única para especialização e atualização profissional e é considerado o maior centro de treinamento em cirurgia laparoscópica do continente e um dos três maiores do mundo, o curso tem como objetivos:
• Fornecer os conhecimentos básicos necessários para o bom andamento da prática laparoscópica;
• Consolidar os passos técnicos que são utilizados em procedimentos laparoscópicos avançados;
• Descrever os resultados e as potenciais complicações, reforçando como preveni-las;
• Aperfeiçoamento de habilidades práticas tanto em modelo pélvico, quanto em tecido vivo, visando o desenvolvimento de técnicas específicas.


Corpo docente do curso: Anastasia Ussia (Itália), Arnaud Wattiez (França), Emilie Faller (França), Jaime Albornoz (França), Luca Minelli (Itália), Maurício Abrão (Brasil), Paulo Ayroza (Brasil), Philippe Koninckx (Bélgica).


Dr. Leandro aproveita a viagem para visitar o Hospital de Câncer de Barretos, maior estrutura de cancer do Brasil. http://www.hcancerbarretos.com.br